Conheça as normas aplicáveis para construir ou reformar o seu posto de combustível com segurança.

A primeira edição do Manual de Boas Práticas para Postos de Combustíveis e Conveniência foi publicada em versão impressa em 2010 e teve como objetivo reunir informações relativas aos produtos e serviços utilizados em postos revendedores de combustíveis, fornecidos pelos associados ABIEPS.  Em consonância com os avanços tecnológicos, a ABIEPS lança a versão digital atualizada desse manual de forma a possibilitar oferecer informações atualizadas de maneira contínua aos nossos associados e aos empresários do setor.

A excelente recepção do mercado do primeiro manual foi muito acima de nossas expectativas, tamanha foi a demanda pelos poucos exemplares impressos, as congratulações recebidas, as sugestões e comentários para uma próxima edição que, confessamos, não estava inicialmente planejada. As mensagens e solicitações de continuidade foram tantas que nos sentimos motivados a publicar uma segunda edição, revisada, ampliada e comemorativa. Neste ano de 2018 comemoramos 17 anos de fundação da ABIEPS, quase duas décadas de história associativa pautada pelo trabalho árduo em prol de um mercado cada vez mais correto, coerente, ético e de alto nível de qualidade.

Nestes quase 20 anos, vimos uma grande revolução acontecer em nosso país, após a publicação da Resolução 273 do CONAMA, no ano 2000. Tal texto legal criou aos postos revendedores, nossos clientes, uma obrigatoriedade de adequação ambiental que, sem dúvidas, foi o grande impulsionador da demanda por equipamentos e serviços providos pelos nossos associados.

Entretanto, uma outra revolução ocorreu, mais silenciosa, mas não menos importante. Os fabricantes de equipamentos e prestadores de serviços, associados ABIEPS, viram-se obrigados, pela mesma Resolução 273 do CONAMA, a uma adequação técnica, através do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade, de caráter regulatório e obrigatório, gerido pelo INMETRO e seus organismos acreditados.

Um forte trabalho foi desenvolvido desde então, começando pela revisão e atualização das normas técnicas da ABNT, que passaram a ter força de lei. Na sequência, grupos de estudo trabalharam intensamente junto ao INMETRO no desenvolvimento das portarias, que através de seus Regulamentos de Avaliação da Conformidade, permitiram aos fabricantes e prestadores de serviços submeterem seus produtos e serviços aos mais rigorosos testes e ensaios de qualidade, que comprovaram a correta adequação.

Já os últimos anos desta década foram dedicados ao aperfeiçoamento dos programas de avaliação da conformidade, dentro de uma filosofia de melhoria contínua, tão presente num mercado dinâmico e de rápido avanço tecnológico como o nosso. O resultado de todo este arcabouço técnico-jurídico-científico desenvolvido e implementado em nosso setor foi uma sensível melhora na qualidade dos equipamentos e sistemas instalados em postos revendedores, fato que se comprova pela redução dos acidentes ambientais em postos revendedores de combustíveis, conforme apontado por dados estatísticos divulgados pelos principais órgãos ambientais brasileiros. É notória hoje a qualidade dos equipamentos e sistemas disponíveis no mercado brasileiro, donde percebemos inclusive alguns efeitos colaterais bastante positivos, tais como a ampliação das exportações por partes dos nossos associados e a importação do “Padrão Brasil” de postos revendedores por vários países da América Latina e do Continente Africano.

O que nos reservam os próximos 10 anos? Acreditamos que o trabalho da ABIEPS deverá ser pautado pela continuidade no esforço de aperfeiçoamento dos programas de avaliação da conformidade, pelo fomento na aplicação adequada da legislação em regiões interioranas do Brasil e pelos desafios que se impõe a nossa indústria com a implantação dos biocombustíveis em nossa matriz energética automotiva. Os fabricantes e prestadores de serviço associados ABIEPS possuem tecnologia de ponta e vasto conhecimento no uso e aplicação dos novos combustíveis, status desenvolvido desde os idos anos do PROALCOOL. Entretanto, a implantação do diesel de baixo teor de enxofre, misturado a um biodiesel de fontes variadas e a necessidade de aplicação do agente redutor (ARLA32), são apenas amostra dos grandes desafios que teremos pela frente. Desafios estes que estão sendo encarados com bastante otimismo pelos nossos associados, otimismo de um país pioneiro em fontes renováveis de energia, otimismo só encontrado em nós, brasileiros.

Aproveitamos para agradecer aos inúmeros colaboradores, em especial aos associados, pela ajuda no desenvolvimento dos textos e no fornecimento de imagens.

Ricardo Spineli

Presidente ABIEPS

Nossos patrocinadores